sábado, 3 de setembro de 2011

Aníbal Diniz discute banda larga e defende agenda prioritária para a Amazônia


O Senador Aníbal defende foco para Amazônia no projeto da banda larga - Foto/André Corrêa, Liderança do PT no SenadoO senador Aníbal Diniz (PT-AC) propôs nesta quarta-feira (31) ao ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, a realização de uma reunião de trabalho para discutir questões focadas na região amazônica, no que diz respeito ao Programa Nacional de Banda Larga (PNBL). A sugestão foi feita durante audiência pública promovida pela Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT).

O senador defendeu uma agenda prioritária para a Amazônia. “Temos de ter um foco diferenciado para a região sobre esse assunto. Discutir os gargalos que são entraves para que o plano possa chegar aos municípios, como a falta de fibras óticas, por exemplo. Falamos em banda larga, mas é preciso discutir a infraestrutura”, disse.

Segundo Aníbal Diniz, as soluções para a realidade da região amazônica necessitam de reflexão e debate. “Não são as respostas que conduzem às inovações, mas as perguntas. Só teremos sucesso no processo de sustentabilidade se tivermos tecnologia suficiente para isso”, completou.

Ficou acertado que a reunião entre o ministro e os titulares da Comissão de Ciência e Tecnologia deverá ocorrer ainda este mês.

Internet - Na audiência pública, o ministro das Comunicações afirmou que, até o final de 2014, 40 milhões de domicílios brasileiros terão acesso à Internet de alta velocidade. Segundo o ministro, o acesso à internet deverá ser oferecido no PNBL à velocidade mínima de 1 Mbps e ao preço de R$ 35, incluídos os tributos, ou a R$ 29,90 sem tributos.

A internet de alta velocidade deverá alcançar todas as sedes municipais progressivamente até 2014. E já em dezembro deste ano estarão atendidos 543 municípios distribuídos por 25 estados. “O programa vai democratizar o acesso à informação. Vamos tornar a internet acessível às camadas mais populares”, disse Paulo Bernardo. A meta do plano é mais que dobrar o número de domicílios atendidos até 2010.

Reativada pelo governo, a Telebrás projeta ter uma rede de mais de 30 mil quilômetros de fibras óticas até 2014, disse Paulo Bernardo. As fibras óticas, que serão instaladas em redes do sistema elétrico nacional, alcançarão mais de 4 mil municípios dentro de três anos. O ministro disse ainda ser “cauteloso” em relação às previsões de velocidade e preço. A velocidade prometida, de 1 Mbps, poderá já ser muito pequena dentro de cinco anos, em sua opinião. Por sua vez, os preços a serem cobrados poderão cair por meio da competição.

Da Assessoria

Nenhum comentário:

Postar um comentário