quinta-feira, 9 de junho de 2011

Aníbal destaca importância de tornar soldados da borracha Heróis da Pátria

O senador Aníbal Diniz (PT-AC) reforçou durante seu pronunciamento na plenária a importância da aprovação, pelo Senado, do projeto de lei que inscreve o nome dos Seringueiros Soldados da Borracha no Livro dos Heróis da Pátria.

anibal_23052011_foto_Moreira_Mariz__Agncia_Senado
Para o senador Aníbal Diniz os soldados tiveram significativa importância para o Acre

Soldados da Borracha foi o nome dado ao grupo de brasileiros que, entre 1943 e 1945, durante a segunda guerra mundial, foram recrutados para extrair látex nos seringais da Amazônia, como forma de contribuírem para a vitória as forças aliadas nos campos de batalha na Europa, no Norte da África e no Oriente. Nessa época, o Brasil havia firmado um acordo de cooperação com os Estados Unidos para enviar borracha dos seringais à indústria bélica norte-americana.

O senador Anibal Diniz afirmou que os soldados da borracha tiveram uma enorme importância nesse episódio histórico. "Naquele momento, em 1943, a indústria pneumática americana era alimentada pela borracha vinda da Malásia. E como teve a ocupação da Malásia pelos japoneses, as forças aliadas ficaram, da noite para o dia, sem acesso a essa matéria-prima fundamental", disse.

Milhares de famílias, principalmente do Nordeste do país, deram então ao início do segundo ciclo de crescimento econômico da Amazônia e atuaram na expansão demográfica da região. As condições de vida e de trabalho eram extremamente precárias e o esforço de guerra realizado pelo grupo de cerca de 50 mil soldados foi destacado por Anibal Diniz. "No Acre afirmamos que se não fossem os soldados da borracha e seu trabalho nos seringais as forças aliadas teriam provavelmente maior dificuldade para chegar à vitória", disse.

O projeto, de autoria da deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), já havia sido votado na Câmara. No Senado (PLC 10/2011), foi aprovado nesta terça na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado, com relatoria da Senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), hoje Ministra da Casa Civíl. O projeto não precisará ser votado pelo plenário do Senado e foi encaminhado diretamente para sanção da presidente Dilma Rousseff.

Da Assessoria ....

2 comentários:

  1. gente tbm adoro o Blog da Gladys e muito bom de ler e de entender tbm , parabéns!!!

    ResponderExcluir